SÍNTESE BIOGRÁFICA DE ALLAN KARDEC

Síntese biográfica de Allan Kardec

Nasceu em Lyon (França), a 3 de Outubro de 1804 e foi registrado sob o nome de Hippolyte Léon Denizard Rivail. Foram seus pais o juiz Jean Baptiste Antoine Rivail e Jeanne Duhamel.

Ainda que filho e neto de advogados, pertencente a uma antiga família que se distinguiu na magistratura e no fórum, de forma alguma seguiu essa carreira, dedicando-se desde cedo ao estudo das ciências e da filosofia. Frequentou a célebre escola de Pestallozzi em Yverdun, na Suíça, que marcaria a sua vida futura. Tornou-se um respeitável educador e grande entusiasta do ensino, várias vezes convidado por Pestallozzi para assumir a direcção da escola, na sua ausência. Durante 30 anos (1824-1854), dedicou-se inteiramente ao ensino, sendo autor de várias obras didáticas de grande contributo para o progresso da educação. Talvez, o maior pedagogo francês da sua época, além de grande linguísta, traduziu obras inglesas e alemãs. Organizou na sua própria casa, cursos gratuitos de Astronomia e Anatomia Comparada, Física e Química.

Em 1855, o professor Rivail deparou-se pela primeira vez com o “fenómeno” das mesas que giravam, saltavam e corriam, em condições tais, que não deixavam lugar para quaisquer dúvidas. Convidado por alguns amigos, para estudo e averiguação desses “fenómenos”, recusa-se inicialmente, não acreditando na sua veracidade. Perante nova insistência, resolve-se pela observação e pesquisa desses “fenómenos” e, graças ao seu espírito de investigação, que sempre lhe fora peculiar, não elabora qualquer teoria infundada, persistindo na descoberta das causas. Através do método experimental, com o qual já estava familiarizado na função de educador, constata os efeitos, remonta às causas e acaba reconhecendo a autenticidade desses “fenómenos”. Convenceu-se da existência dos espíritos e da sua comunicação com os homens. A partir daí, grande transformação se desencadeou na vida do professor Rivail. Convicto da sua condição de espírito encarnado, adotou um nome já usado em existência anterior, no tempo dos druidas: “nascia assim Allan Kardec”.

De 1855 a 1869, consagrou a sua existência ao estudo do Espiritismo, sob a assistência dos espíritos superiores e, tendo como principal mentor o Espírito Verdade, estabelece os princípios da Codificação Espírita.

Nascia assim o Espiritismo ou doutrina espírita, através da primeira publicação a 18 de Abril de 1857 de: “O Livro dos Espíritos”. Iniciava-se uma nova e importante página da história existencialista do homem. Com efeito, esta obra constituirá para todo o sempre um “divisor de águas” na trajetória evolutiva cultural e espiritual da humanidade. Outras obras importantes se lhe seguiriam: O Livro dos Médiuns (1861); O Evangelho segundo o Espiritismo (1864); O Céu e o Inferno (1865); A Génese (1868) e Obras Póstumas (1890), (publicado após o seu desencarne com base em apontamentos diversos de sua autoria). Acrescente-se também, a Revista Espírita, de estudos psicológicos, lançada no dia 1 de Janeiro de 1858, sob sua direcção até ao seu desencarne. Foi também de sua iniciativa a fundação da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, no dia 1 de Abril de 1858, primeira instituição regularmente concebida com a finalidade de promover pesquisas que favorecessem o estudo do Espiritismo.

Com a máxima: “... fora da caridade não há salvação”, procura ressaltar a igualdade entre os homens perante Deus, a tolerância, a liberdade de consciência e a benevolência mútua.

É da sua autoria outro grande princípio: “... fé inabalável é aquela que pode encarar a razão, face a face, em todas as épocas da humanidade”. Esclarece Allan Kardec: a fé racional que se apoia nos fatos e na lógica, não deixa quaisquer dúvidas: “acreditamos quando temos a certeza e só temos a certeza quando compreendemos”.

Denominado “o bom senso encarnado” pelo célebre astrónomo espírita Camille Flammarion, Allan Kardec partiu para a pátria espiritual aos 65 anos, em 31 de Março de 1869, legando à humanidade um património de eterno reconhecimento: a revelação da razão existencial do homem, que em vão tentara descortinar desde os primórdios da civilização.

No seu túmulo, no cemitério Père Lachaise, em Paris, uma inscrição sintetiza a concepção evolucionista do homem: “... nascer, morrer, renascer e progredir sempre, tal é a lei”.

Alberto Maçorano

 

Cadastrado: 25 Novembro de 2023 Por: Administrador Visitas: 63

Compartilhe:

Voltar

Artigos mais vistos


AH! SE EU SOUBESSE......
25 de Novembro de 2023

COMO TUDO COMEÇOU......
25 de Novembro de 2023

AS ASAS DA LIBERTAÇÃO...
25 de Novembro de 2023

HOMENAGEM A CHICO XAVIER...
24 de Novembro de 2023

O QUE É O ESPIRITISMO?...
25 de Novembro de 2023

O ESPIRITISMO NO BRASIL...
25 de Novembro de 2023